:. Resolvendo o problema de lentidão no KDE

 Por Carlos E. Morimoto
 http://www.guiadohardware.net
 20/04/2002



O KDE é atualmente a interface gráfica mais utilizada no Linux e ao mesmo tempo a que demostra o maior potencial de crescimento, pela sua amigabilidade e semelhança com o Windows.

O grande problema é que o KDE é muito lento. Não apenas mais lento que as interfaces leves, como o Blackbox, Window Maker, etc. que estão aí para isso mesmo, mas consideravelmente mais pesado que o Gnome, que oferece um conjunto de recursos semelhante, embora não seja tão estável. Quem já teve a oportunidade de instalar uma distribuição Linux qualquer com o KDE 2.x num Pentium MMX ou mesmo num Pentium II seguramente percebeu a demora em abrir os programas, mesmo usando um HD rápido e bastante memória RAM.


De fato, o grande problema do KDE não reside em uma coisa nem em outra. Ao contrário do Windows o grande gargalo na hora de carregar o sistema e abrir programas não é tanto a velocidade do HD nem a quantidade de memória RAM disponível, mas principalmente a velocidade do processador.

Grande parte da lentidão deve-se às deficiências do compilador GCC ao compilar código em C++, como o utilizado no KDE, com apontado nesta entrevista com o Roberto Teixeira, um Brasileiro que trabalha no desenvolvimento do KDE:
http://www.revistadolinux.com.br/ed/026/assinantes/entrevista.php3

Mas não é apenas isso. O KDE realmente é muito complexo e por isso é inevitável que seja pesado. A grande questão para nós usuários é como solucionar esse problema e utilizá-lo sem ficar olhando para ampulhetas de espera.

O primeiro passo é o óbvio, desativar as animações e outros recursos visuais, o que já ajuda bastante. Mas, feito isso chegamos ao inevitável, que é fazer um belo upgrade na máquina. Qual é a configuração ideal para rodar o KDE confortavelmente?

Para obter alguns números, de qual é a percentagem de ganho ao utilizar um processador mais rápido, realizei um pequeno teste utilizando duas máquinas de configuração diferentes, ambas rodando o Mandrake 8.1 e com HDs do mesmo modelo. Veja o tempo de carregamento de alguns aplicativos:

Máquina 1:

Celeron 366 @ 550 MHz

384 MB RAM, PC-100

HD Quantum LCT 30 GB


Carregamento do KDE: 26.85 seg

Segundo carregamento, depois de um logout: 18.80 seg


Konqueror (página padrão do Mandrake): 7.67 sec

Segunda janela: 5.34 seg


Konqueror (no diretório pessoal do usuário): 7.42 seg

Segunda janela: 3.43 seg


Mozilla (página em branco): 10.98 seg

Segunda janela: 2.53 seg


Kword: 3.56 seg

Segunda janela: 2.03 seg



Máquina 2:

Athlon XP 1600+

256 MB RAM, DDR PC 2100

HD Quantum LCT 30 GB


Carregamento do KDE: 16.05 seg

Segundo carregamento, depois de um logout: 11.88 seg


Konqueror (página padrão do Mandrake): 3.73 seg

Segunda janela: 2.49 seg


Konqueror (no diretório pessoal do usuário): 3.67 seg

Segunda janela: 2.23 seg


Mozilla (página em branco): 5.83 seg

Segunda janela: 1.14 seg


Kword: 2.37 seg

Segunda janela: 1.32 seg


Estes números demonstram claramente que um processador mais rápido, acima da casa dos 1.0 GHz é capaz de melhorar expressivamente o desempenho do KDE, mesmo mantendo um HD razoavelmente lento. é suficiente para trabalhar confortavelmente no sistema, abrindo e fechando aplicativos a todo instante.

Para usuários de máquinas mais lentas a solução continua sendo utilizar as interfaces peso-leve, como o IceWM, que mantém a semelhança com o Windows com um executável de menos de 1 MB, ou as interfaces baseadas no Next Step, como o Windows Maker, After Step e Blackbox, que também são bastante leves, mas utilizam um layout mais limpo, sem a barra de tarefas.


Isto coloca em xeque o velho argumento de que o Linux é mais leve que o Windows. Até certo ponto isto é verdade, já que a flexibilidade oferecida pelo Kernel possibilita obter um bom desempenho mesmo em máquinas mais lentas, vide o Coyote Linux, que é capaz de compartilhar a conexão com a Web com um bom desempenho entre vários PCs rodando em um simples 386, ou Handhelds como o Agenda, que rodam o Linux num Hardware bastante rudimentar, sem problemas de lentidão.

Mas, ao adicionar recursos ao sistema, manter servidores ativos e utilizar uma interface peso-pesado como o KDE, junto com aplicativos como o Mozilla e o StarOffice o sistema fica realmente muito pesado, freqüentemente mais lento do que o Windows XP com o IE e o Office ficaria na mesma configuração de Hardware.

Como sempre, ficamos com duas escolhas. Ou fazer um belo upgrade na máquina, para fazer o sistema ficar mais rápido "na marra", ou abrir mão dos recursos que consomem mais recursos do sistema para deixá-lo mais leve. O Alfredo Kojima por exemplo desenvolveu o Window Maker num Pentium 133 com 16 MB, rodando o Slackware e EMacs.