:. Indique este site a um amigo...
 3073306 visitas desde 28/02/1999  |  Responsável: Carlos E. Morimoto
 :. Novo na área?! Leia nosso tutorial: Hardware para Iniciantes

Seções
Colunas :. Papo Aberto
Relacionados

+ HOME
   :. Análises
   :. Artigos
   :. Cursos Online
       :. Hardware
       :. Redes
       :. Linux (foca)
       :. Gravação CDs
       :. Notebooks
       :. Setup
   :. Livros
      
:. Entendendo e
    Dominando o Linux 4.Ed
   :. Arquivo DDD
   :. Dicionário
   :. FAQ
   :. Notícias
   :. Dicas Linux
   :. Overclock
   :. Tutoriais

+ Publicações
   :. CD GDH
   :. CDs Mandrake
   :. CDs do Linux
   :. E-Books

+ Outros
   :. Fórum
   :. Humor
   :. Palm
   :. Quiz

+ Pesquisar no site:

+ Expediente

+ Doações

+ Comente esta
   Matéria

Dúvidas sobre
Linux?
Baixe o E-book
Entendendo e Dominando o Linux
de Carlos E. Morimoto
ou increva-se no
Curso de Linux
em SP


Invista em
conhecimento:
:.CD-ROM Guia do Hardware: Todos os e-books e uma cópia off-line de todo o site por R$ 21,00
:.Linux Mandrake 9.0 GDH, com manual em Português e aplicativos. 4 CDs por R$ 24,00
:. E-Books de Carlos E. Morimoto:
Manual de Hardware Completo 3ed.
Redes 3ed
Upgrade e Manutenção
Novas tecnologias 3Ed
Entendendo e Dominando o Linux
Dicionário Técnico de Informática. R$ 8,00

:. CDs do Linux:
Slackware 8.1 R$ 8,00
Red Hat 8.0 R$ 16,00
DemoLinux 3.0 R$ 8,00
Knoppix R$ 8,00
Peanut 9.1 R$ 8,00
FreeBSD 4.5 R$ 20,00
NetBSD 4.5 R$ 16,00
Libranet R$ 8,00
Debian 3.0 R$ 35,00
Definity R$ 8,00
E outros...

 

Dicas do dia : Receba as atualizações do Guia do Hardware todos os dias, direto no seu e-mail. Clique aqui para se inscrever.
 

Data: 15.06.2001  :. Em Reformulação!
Assunto: mais sobre a profissão de Técnico de Informática
Por: Kleber Credidio
Contato:

 

   Mais sobre a profissão de Técnico de Informática

Caros leitores,

Estou lisonjeado. Emocionado. Desde a publicação da última edição da Papo Aberto, recebi uma grande quantidade de e-mails agradecendo, elogiando, criticando, e sobretudo solicitando novas informações sobre a questão de Técnico de Informática. Assim, atendendo a pedidos, estou colocando nesta edição novas informações, mais detalhadas, sobre a árdua tarefa de lidar com essas maquininhas dóceis e inocentes (tá bem, tá bem... nem sempre, né? hehe) que são os computadores.

Muito obrigado a todos pela colaboração, e aproveito para dizer que espero que seja sempre assim - com vocês participando ativamente. Afinal, este espaço é de vocês.

Um forte abraço!

Kleber Credidio.


:. Mais sobre a profissão de Técnico de Informática

Na edição passada, passei várias dicas aos que desejam (ou são) Técnicos de Informática. Porém, na avalanche de e-mails que recebi, muitas pessoas pediram outras informações, como equipamento necessário, procedimentos, etc. Então, aqui vai uma nova série de dicas para os que são - ou serão - desta área:

1. Equipamento
Qual o material que um técnico precisa dispor? Bem, vou dividir esta parte em duas categorias: os equipamentos portáteis e os equipamentos de laboratório.

1.1 - Portáteis
:. Estes consistem no que o técnico deve levar sempre consigo ao atender um chamado; é o "kit de primeiros socorros". Não vá a lugar algum sem eles - inclusive em seu próprio laboratório. São eles:

:. Conjunto de disquetes de inicialização (boot): tenha pelo menos um de cada sistema operacional (DOS, Windows 95, Windows 98, Windows Milennium, Windows NT, Windows 2000, Linux - repare que no caso do Linux cada distribuição requer um disco de boot específico). Nunca se sabe quando irá precisar deles.

:. Kit de ferramentas: deve conter pelo menos 3 tamanhos diferentes de chafes de fenda, 3 de chaves Phillips, 2 chaves hexagonais, 1 alicate de ponta fina, 1 alicate de corte ou estilete e 1 multímetro.

:. Kit de limpeza: ideal para limpar peças/placas/componentes. Composto basicamente de 2 panos limpos (lave-os após cada utilização, para tê-los sempre limpinhos), 1 vidrinho de álcool isopropílico, 1 vidrinho de produto de limpeza (pode ser VEJA ou similar, ou aquelas pastas para limpeza de micros), cotonetes, palitos de dente (para limpeza de áreas pouco acessíveis), 1 spray de Diclorofluoretano (Contactmatic, por exemplo, para limpeza placas ou área interna de gabinetes com muito pó), 1 mini-aspirador de pó (pode ser desses a pilha, desde que aspire alguma coisa, pois há uns que espalham pó ao invés de aspirar). É difícil dar manutenção em uma máquina cheia de poeira... :-P

:. Drive de CD-ROM externo com devidos disquetes de instalação: não se esqueça de que, apesar de o CD-ROM ter se tornado uma peça-chave hoje em dia, muitos clientes não o terão em suas máquinas, principalmente se se tratar de redes. Já que a maioria dos programas atualmente vem em CD-ROM, é bom dispor de um aparelho desses.

:. Notebook com cabo laplink: ótimo para ajudar em diagnósticos, fazer backup de arquivos do micro do cliente (dependendo, claro, da capacidade de seu disco rígido), fazer download de drivers, efetuar consultas e etc. Se você possuir um notebook com drive de CD-ROM, pode dispensar o CD-ROM externo citado acima; já que poderá usar o CD-ROM do próprio notebook via laplink. Não esqueça de manter também um software de laplink para DOS, pois em muitos casos o Windows poderá não estar acessível.

:. Caixinha com parafusos, fusíveis, presilhas, pinças e etc.: Muitas vezes, vê se micros com placa-mãe solta dentro do gabinete, ou fios bagunçados, filtros de linha que não funcionam (por causa de fusível queimado) e etc. É sempre bom ter uma caixinha com esse tipo de "bugigangas" extremamente úteis em várias ocasiões.

:. Pulseira anti-estática: evita que você provoque uma descarga de eletricidade estática em um componente frágil, danificando-o. A pulseira serve como um "fio terra" ligado a você, impedindo o acúmulo de energia estática.

Apesar da lista extensa, tudo isso cabe (com exceção do drive de CD-ROM externo e do notebook, claro) em uma maleta de ferramentas de tamanho médio.


1.2 - Laboratório
Um técnico que se preza precisa ter seu local de trabalho, seja ele seu próprio quarto, um cantinho na sala ou no quartinho de empregada, que será chamado de "laboratório". É preciso que este local esteja sempre limpo e organizado, principalmente porque deverá estar preparado para receber os clientes - e não vamos querer passar uma impressão desagradável mantendo o mesmo em desordem, não é mesmo? Vamos precisar do seguinte:

:. Uma mesa ou balcão de madeira, ou então com forro de borracha (para não acumular eletricidade estática);

:. Uma cadeira confortável;

:. Boa iluminação, se possível uma fonte de iluminação extra com braço flexível para iluminar comprecisão áreas difíceis (dentro de um gabinete, por exemplo);

:. Duas fontes de qualidade confiável (uma AT e uma ATX) para testes;

:. Um monitor (pode ser um desses famosos "monitores de bancada", que mais parecem uma televisãozinha de 10 polegadas, coloridos);

:. Peças extras para testes (pentes de memória SIMM/DIMM, HD, placas de vídeo, placas-mãe, cabos, etc.);

:. Uma placa de vídeo ISA para o caso de precisar recuperar uma BIOS danificada de micros antigos;

:. Teclado, mouse, drive de CD-ROM, drive de disquetes, peças básicas para montagem de um micro;

:. Alguns disquetes vazios para casos de necessidade;

:. Um micro montado, funcionando, que disponha de acesso à Internet (pode ser o notebook, se tiver um), para o caso de ser necessário baixar um driver da Internet, por exemplo;

:. Fontes de consultas (livros, como o Hardware PC do Carlos Morimoto :-D), sites na Internet (como o Guia do Hardware (eheheh), apostilas;

:. CDs com utilitários e sistemas operacionais para diagnósticos e reinstalação do sistema, caso necessário;

:. Manuais de placas e componentes (junte todos que puder, sempre serão úteis);

:. Filtro de linha ou estabilizador;

:. Uma lupa;

:. Papel e lápis/caneta para anotações (SEMPRE anote o que está fazendo, assim, caso algo não dê certo, terá registrado seu último passo, basta voltar atrás);

:. Ferramentas (podem ser as mesmas descritas lá nos Portáteis, mas se puder ter uma variedade maior no laboratório, melhor).


2. Procedimentos
Cada um tem seu modo de agir, de trabalhar e lidar com determinadas situações. Cada um tem seu modus operandi, isto é muito pessoal. Eu por exemplo tenho alguns procedimentos de rotina: limpo o equipamento, faço limpeza nos drives de disquete e CD-ROM (internamente), verifico contatos e cabeamento, dou dicas de otimização - sem cobrar um tostão a mais por isso. Não quero, não posso e nem vou tentar mudar isso em ninguém - posso, quando muito, orientar os que não têm muita experiência. Então, aqui vai uma pequena relação de situações e dica de como agir:

:. Equipamento deu pane na sua mão: Tente consertar. Mesmo que não tenha sido sua culpa, é sua responsabilidade. Claro, não cobre este serviço. Se for algo muito complicado, abra o jogo com o cliente; não faça nada sem sua autorização

:. Equipamento não liga: Verifique tomada, filtro de linha (ou estabilizador), fonte, cabo de alimentação. Se estiver tudo OK, desmonte o equipamento e monte-o novamente (desde que saiba o que está fazendo) com o mínimo de peças possível, vá montando aos poucos e testando a cada nova peça acrescentada. Tente isolar o problema.

:. Não consegue achar o problema: Tente novamente. Se de fato não conseguir, seja franco com o cliente e não invente nada. É melhor ser honesto do que tentar bancar o esperto.

:. Não consegue achar solução para o problema: Aja como acima

:. Não tem equipamento para aplicar a solução para o problema: Idem, e procure indicar qual tipo de técnico estará apto a resolver o problema

:. Precisa trocar peças: Faça-o somente após consultar o cliente

:. Não tem como dar diagnóstico no local: Converse com o cliente, leve o equipamento ao seu laboratório onde dispõe de mais recursos e trabalhe com calma até poder dar um parecer

:. Detectou outros problemas além do reclamado: Diga ao cliente. Se for coisa bem simples, repare e apenas comente o fato. Caso contrário, exponha ao cliente os problemas que foram detectados e as consequências. Conserte apenas se autorizado

:. Danificou uma peça ao tentar repará-la: Reponha por outra com mesmas características. Terá de sair de seu próprio bolso. Procure sempre notificar o cliente, mas seja sutil para que ele não lhe tome por incompetente


3. Qualificação
Atualmente, não há cursos específicos para técnicos nessa área. É preciso estar sempre buscando fontes de estudo - livros, cursos, apostilas, sites na internet, etc. - e sempre se atualizando. O que mais conta na maioria das vezes é a experiência, mas atente para o fato de que quantidade não é sinônimo de qualidade: às vezes, um técnico que atua há 2 anos pode ter mais experiência do que um que atua há 5. Uns aprendem com mais facilidade, outros com menos. Estudo teórico é ótimo, mas nem sempre vale - teoria e prática diferem muito em boa parte das vezes.


:. 4. Cobrança
Creio que o que mais vale na cobrança é a sensatez. Falei sobre isso na coluna anterior, vou apenas complementar algumas coisas.

Procure não cobrar serviços complementares simples (por exemplo, perceber que o micro está lento porque o DMA não está ativado e ativá-lo para melhorar o desempenho), sempre tenha algum "algo mais" para seu cliente, tenha uma política de preços justa e transparente, negocie sempre o modo de pagamento e valor ANTES de fazer qualquer coisa, não cobre por nada que tenha feito por sua própria vontade.

O valor a ser cobrado varia muito de acordo com a sua experiência, valor de mercado local (um técnico em São Paulo costuma ser mais caro que um técnico em Bertioga) e serviço a ser feito. Há técnicos que cobram por hora, outros por tipo de serviço. Cada um tem seus prós e contras, cabe a você decidir qual o melhor método de cobrança.

Infelizmente, nossa categoria tem andando meio "suja" por causa de uns poucos que se dizem técnicos, mas são na verdade exploradores sem qualificação técnica alguma. É aquela velha história: por causa de uns poucos, o global acaba pagando o pato. Está na hora de revertermos esta situação! Vejo muitos técnicos capazes por aí esperando apenas uma oportunidade para ingressarem no mercado de trabalho serem prejudicados pela injusta má fama que tem assombrado esta categoria. Espero poder estar contribuindo para a melhoria do serviço de manutenção e consultoria, para ambos os lados - para nós, consultores e técnicos, e para eles, consumidores.

Há ainda muitos outros tópicos a serem explorados, mas este é um assunto por demais extenso e abrangente. Convido a todos os que quiserem debater mais esta questão, que entrem em contato comigo através do e-mail [email protected]et que terei o maior prazer em ajudar e participar.

Um forte abraço a todos e até a próxima!

Kleber Credidio

 

© 1999 - 2002 :. Todos os direitos reservados :. Carlos E. Morimoto
Melhor visualizado em qualquer browser. Você escolhe o que usar, não nós :-)