Guia do Hardware.Net
Impresso em: 7/3/2003, 07:26:08
Impresso de: http://www.guiadohardware.net/curso/gravacao-cds/index3.asp

Cursos OnLine :. Gravação de CDs

+ HOME
   :. Análises
   :. Artigos
   :. Cursos Online
       :. Hardware
       :. Redes
       :. Linux (foca)
       :. Gravação CDs
       :. Notebooks
       :. Setup
   :. Livros
      
:. Entendendo e
    Dominando o Linux 4.Ed
   :. Arquivo DDD
   :. Dicionário
   :. FAQ
   :. Notícias
   :. Dicas Linux
   :. Overclock
   :. Tutoriais

+ Publicações
   :. CD GDH
   :. CDs Mandrake
   :. CDs do Linux
   :. E-Books

+ Kurumin Linux

+ Outros
   :. Fórum
   :. Humor
   :. Palm
   :. Quiz

+ Pesquisar no site:

+ Expediente

+ Comente esta
   Matéria

Dúvidas sobre
Linux?
Baixe o E-book
Entendendo e Dominando o Linux
de Carlos E. Morimoto
ou increva-se no
Curso de Linux
em SP


Invista em
conhecimento:
:.CD-ROM Guia do Hardware: Todos os e-books e uma cópia off-line de todo o site por R$ 21,00
:.Linux Mandrake 9.0 GDH, com manual em Português e aplicativos. 4 CDs por R$ 24,00
:. E-Books de Carlos E. Morimoto:
Manual de Hardware Completo 3ed.
Redes 3ed
Upgrade e Manutenção
Novas tecnologias 3Ed
Entendendo e Dominando o Linux
Dicionário Técnico de Informática. R$ 8,00

:. CDs do Linux:
Slackware 8.1 R$ 8,00
Red Hat 8.0 R$ 16,00
DemoLinux 3.0 R$ 8,00
Knoppix R$ 8,00
Peanut 9.1 R$ 8,00
FreeBSD R$ 20,00
NetBSD R$ 16,00
Libranet R$ 8,00
Debian 3.0 R$ 35,00
Definity R$ 8,00
E outras distribuições

 

Dicas do dia : Receba as atualizações do Guia do Hardware todos os dias, direto no seu e-mail. Clique aqui para se inscrever.
 

Data: 07.12.2000
Tipo: Curso
Fabricante: Não se Aplica
Por: Carlos E. Morimoto

 

   Parte 3: Gravação de CDs

Durante vários anos, os CDs foram mídias somente para leitura. Você podia comprar um programa em CD, mas se por algum motivo precisasse copiá-lo teria que usar disquetes, Zip-drives ou algum outro dispositivo. Atualmente porém, vemos uma grande popularização dos gravadores de CD-ROM, que em um futuro próximo provavelmente se tornarão tão populares quanto as unidades de disquete. Qualquer usuário com 300 ou 400 dólares, ou bem menos que isso, caso opte por um gravador usado, pode comprar um gravador e sair gravando CDs com dados ou mesmo CDs de música, sem muita dificuldade.

Como quase todo mundo hoje em dia possui um drive de CD-ROM, a possibilidade de gravar CDs é útil também para o transporte de dados. Neste ramo, o CD revela-se uma opção bem interessante em termos de custo-beneficio, já que possui uma capacidade equivalente à de 6.5 discos Zip de 100 MB, ou mais de 400 disquetes, sendo que uma boa mídia gravável não custa mais do que 2.5 ou 3 dólares (menos que uma caixa de disquetes) e mídias de qualidade inferior chegam a ser vendidas por menos de 1 dólar.

Outro recurso interessante é o recurso de multiseção, que permite deixar um CD gravado "aberto". Através deste recurso suportado por qualquer gravador e programas de gravação atuais, é possível gravar uma quantidade pequena de dados, 100 MB por exemplo, e depois ir gravando mais dados até que a capacidade total do CD seja preenchida, diminuindo bastante o número de mídias necessárias para fazer backups diários ou mesmo para transportar pequenas quantidades de dados.

Assim como nos drives de CD-ROM, a velocidade de gravação também é mostrada em múltiplos de 150 KB/s. Um gravador 1x será capaz de gravar CDs a uma velocidade de 150 KB/s, um CD 2x a 300 KB/s, um de 4x a 600 KB/s e assim por diante. Gravando a 1x, um CD cheio demora cerca de uma hora para ser gravado, demorando apenas meia hora a 2x ou cerca de 15 mim a 4x. Mesmo gravadores mais rápidos podem ser configurados para gravar CDs a 2x ou mesmo 1x caso seja necessário.

Geralmente os gravadores são capazes de ler CDs a uma velocidade maior do que são capazes de gravar: um drive 8x4, por exemplo, é capaz de ler a 8x e gravar a 4x.

 

Mídias

Um CD prensado comum é composto de três camadas: uma camada de plástico de cerca de 1,2 mm de espessura, uma camada de alumínio, ouro ou platina onde são gravados os dados, e sobre ela uma camada protetora de verniz. Em um CD-R, também temos estas três camadas, a diferença é que temos uma quarta camada, entre o plástico e a camada reflexiva, justamente a camada onde são gravados os dados.

Esta fina camada é composta de produtos sensíveis ao calor, que tem sua composição química alterada devido ao calor gerado pelo feixe laser do gravador, muito mais potente que o usado na leitura do CD. As partes da superfície queimadas pelo laser ficam opacas e criam pequenas bolhas, deixando de refletir a luz do leitor, substituindo sulcos dos CDs prensados. Por isso é que na gíria dos micreiros é usada a expressão "queimar CDs" para se referir ao processo de gravação.

 

Camada de policarboneto

Vimos que nos CDs prensados a camada de policarboneto é prensada conta um molde, sendo gravados neste processo os sulcos que armazenam os dados. Num CD gravável, a camada de policarboneto também é prensada, porém, ao invés de serem gravados os sulcos, é gravada a espiral de gravação. Todo o CD virgem já vem com esta espiral pré gravada, onde serão gravados os dados. O gravador não é capaz de gravar dados fora da espiral.

Camada reflexiva

Nos CDs prensados, a camada reflexiva é sempre feita de ligas de alumínio, prata ou platina. Como a camada reflexiva é sempre prateada , e a camada de policarboneto é transparente, os CDs prensados são sempre prateados.

Já nos CDs graváveis, a camada reflexiva pode ser tanto feita de outro 24 quilates quanto de ligas de prata ou mesmo alumínio. A camada de gravação por sua vez, pode ser transparente, azul ou verde, dependendo do material usado. De acordo com a combinação de cor da cama reflexiva e da camada de gravação, podemos ter CDs graváveis de várias cores diferentes.

 

Cores

Atualmente existem 5 substâncias diferentes que podem ser usadas para formar a camada de gravação dos CDRs. Todas estas substâncias são orgânicas, um tipo de plástico ou combustível, e justamente por isso podem ser queimadas pelo laser do gravador. Cada uma estas substâncias foi desenvolvida por uma companhia diferente, que detêm sua patente. Por serem diferentes, cada substância tem uma cor predominante:

Substância

Desenvolvido por:

Cor Predominante

Cyanine

Taiyo Yudem

Azul

Phthalocyanine

Mitsui Chemicals

Transparente

Metallized Azo

Verbatim/Mitsubishi

Azul

Advanced Phthalocyanine
(tipo 5)

Mitsui Chemicals

Verde claro

Formazan

Kodak

Verde claro

Como a camada de gravação é semi-transparente, a cor do CD gravável é formada por uma combinação da cor da camada reflexiva (que pode ser dourada ou prateada) com a cor da camada de gravação (azul, verde ou transparente):

Cor da mídia

camada de gravação

camada reflexiva

Dourado

Phthalocyanine

dourada (ouro)

Verde Claro
(fabricadas pela Mitsui)

Advanced phthalocyanine

prateada

Verde

Cyanine

dourada (ouro)

Azul

Cyanine

prateada

Azul escuro

Metallized Azo

prateada

Verde claro (de outros fabricantes)

Formazan

prateada

Dourado esverdeado

Formazan

dourada (ouro)

*Durante um certo tempo foram produzidas algumas mídias alaranjadas, estas mídias usavam cyanine misturado com um tipo de corante e camada reflexiva prateada.

Além da cor, as substâncias diferem nos quesitos durabilidade e refração da luz. A Phthalocyanine é dentre todas considerada a de melhor qualidade. Como ela é quase transparente, os CDRs feitos com ela possuem uma refração de luz quase equivalente à dos CDs prensados, sendo compatíveis com todos os leitores de CD-ROM. A Phthalocyanine também tem uma durabilidade maior, cerca de 100 anos segundo o fabricante. Isto claro, não significa que os CDs feitos com ela durarão todos este tempo, pois temos também a durabilidade da camada reflexiva e condições de armazenagem e conservação. Apenas os CDs dourados usam Phthalocyanine.

Recentemente a Mitsui criou um tipo mais sofisticado de Phthalocyanine chamado de Advanced Phthalocyanine ou de Phthalocyanine tipo 5. Esta nova substância possui uma refração de luz semelhante à da phthalocyanine comum, mas é bem mais durável, chegando perto dos 200 anos. Sua cor também é um pouco diferente, ao invés de transparente ela é verde claro. Esta substância é atualmente usada apenas em mídias verde claro.

A Cyanine foi a primeira substância usada em CDRs, mas possui algumas desvantagens em comparação à phthalocyanine. Sua durabilidade é estimada em 50 anos, e sua cor azulada causa uma diminuição na refração de luz, tornando as mídias incompatíveis com alguns leitores mais antigos e aumentando o número de erros de leitura em outros. Enquanto as mídias douradas feitas de phthalocyanine possuem cerca de 85% da refração de luz dos CDs prensados, as mídias verdes e azuis feitas de cyanine refletem apenas 70% da luz.

Existem dois tipos de cyanine: o que descrevi acima é a formula mais nova, usada atualmente. A cyanine usada até cerca de 2 anos atrás possuía uma fórmula ligeiramente diferente, o que a tornava menos durável. Enquanto a cyanine atual chega a durar mais de 50 anos, a fórmula antiga tinha uma durabilidade estimada em apenas 10 anos.

A Metallized Azo por sua vez é uma substância desenvolvida recentemente. Sua refração de luz é semelhante à da cyanine (apesar de sua coloração ser mais escura), mas sua durabilidade é maior, sendo estimada em 90 anos segundo os fabricantes. Esta substância é usada apenas em mídias de coloração azul, que podem ser distinguidas das azuis feitas de cyanine pela tonalidade mais escura.

Finalmente temos o Formazan, também desenvolvido recentemente. O Formazan combina algumas das características da cyanine e phthalocyanine, possuindo uma durabilidade estimada em cerca de 50 anos e uma refração de luz pouco inferior à da phthalocyanine.

 

Audio x Dados

Usando um gravador de CD, você pode tanto gravar CDs de dados, quanto CDs de áudio, que poderá tocar em qualquer CD Player.

Existem porém algumas diferenças na leitura de um CD de música quando por um CD-Player ou Diskman.

A velocidade padrão de leitura de um CD de música é apenas 1x, um CD-Player lê os CDs a esta mesma velocidade, e vai tocando a música conforme a lê no CD. Se houver um erro na leitura de algum setor do CD, ele não tentará uma segunda leitura (ate por que não haveria tempo para isso) ele simplesmente ignorará o dado que não pôde ser lido e usará interpolação para encobrir o "buraco". Muitas vezes o remendo feito usando interpolação não é nem percebido, mas outras aparece na forma de um estalo, ruído, distorção no som ou algo parecido. Quanto mais erros de leitura, pior será a qualidade do som.

Para gravar CDs de música as mídias douradas (de phthalocyanine) e verde-claro (de advanced phthalocyanine) são melhores, pois elas apresentam uma refração de luz maior do que as verdes e azuis. Com uma refração de luz maior, fica mais "fácil" para o leitor distinguir entre os 1s e 0s gravados, pois o sinal é mais forte, e consequentemente temos menos erros de leitura. As mídias douradas e verde claro também apresentam incompatibilidade com um número bem menor de leitores, justamente por causa da maior refração de luz.

 

Durabilidade

Um ponto positivo é a maior vida útil das mídias de phthalocyanine , que com conservação adequada é estimada chega a ser de 200 anos, contra apenas 50 das mídias verdes e azuis. Claro que isso depende também da qualidade da mídia: apenas as de ótima qualidade atingem estas marcas, mídias mais baratas chegam ao cúmulo de não durarem mais que dois ou três meses depois de gravadas, começando a apresentar bolhas na camada superior ou outros problemas que inutilizam o CD gravado. Existem mídias à venda por preços realmente tentadores, já ví algumas marcas à venda por até 60 centavos de dólar, menos de um terço do preço de uma mídia de boa qualidade. Mas, não adianta comprar este tipo de mídia, pois além de perder muitos CDs você enfrentará problemas de compatibilidade, corrupção de dados e durabilidade, ou seja, só terá dor de cabeça.

Se você ainda acha que todos os CDs duram "por toda a vida" veja a ilustração ao lado. A camada reflexiva deste CD oxidou quase que completamente, tornando o CD quase transparente. A própria camada de gravação de deteriorou, formando várias bolhas, que acabaram virando buracos. Este tipo de deterioração pode acontecer tanto com CDs de qualidade muito baixa quanto com CDs de boa qualidade, porém conservados inadequadamente.

Como disse, boas mídias conservadas adequadamente em lugares com temperaturas médias, sem muita umidade e principalmente sem serem expostas diretamente à luz solar podem durar até 200 anos, mas, se você usar mídias de 1 real ou não tomar cuidado com seus CDs, eles podem te deixar na mão depois de pouco tempo.

Um dos principais determinantes da durabilidade do CD é justamente a camada protetora sobre a camada reflexiva. Alguns fabricantes aplicam apenas uma fina camada de verniz sobre ela, estes CDs apresentam uma face superior mais brilhante e um aspecto frágil. Este tipo de CD é o mais sensível, tanto a arranhões, quanto a luz solar. Outros CDs, geralmente os de boas marcas possuem sobre esta camada de verniz, uma nova camada protetora, destinada a protege-la e facilitar a impressão do CD. Em alguns casos, como nos CDs com tecnologia "Infoguard", são usadas várias camadas protetoras. Quanto maior for a proteção sobre a camada reflexiva, mais resistente será o CD.

A minha experiência prática com gravação de CDs é que independentemente da cor, mídias de boas marcas (veja a seguir), dificilmente apresentam qualquer problema, enquanto mídias sem marca, mais baratas, costumam dar dor de cabeça também independentemente da cor. Em se tratando de mídias graváveis, infelizmente quase sempre a mais cara é melhor.

 

Reconhecendo mídias

Num CD gravável temos uma pequena área pré-gravada chamada ATIP que armazena várias informações sobre a mídia e sobre o fabricante. Através destes dados é possível descobrir a marca do CD com praticamente nenhuma margem de erro.

Existem alguns programas especializados nesta tarefa. Na minha opinião, o melhor atualmente é o CDR-Identifier, um programa freeware. Clique aqui para baixa-lo (100 KB)

Claro que o programa não é perfeito, é incompatível com alguns modelos de gravadores e não é capaz de reconhecer alguns poucos modelos de mídias, porém na grande maioria dos casos ele faz um ótimo trabalho. Com ele é possível descobrir as marcas tanto de mídias virgens como de CDRs já gravados. Ao baixar ao programa não deixe de dar uma olhada no Read-me para checar quais são os gravadores incompatíveis.

:. Próxima página »

 

 

© 1999 - 2002 :. Todos os direitos reservados :. Guia do Hardware.Net
http://www.guiadohardware.net/